quinta-feira, 18 de outubro de 2007

Ela podia ter roubado meu coração...

Algumas de nossas leitoras vivem nos dizendo que adoramos contar vantagens (o que é algo totalmente descabido: apenas contamos nossas histórias). E para provarmos que o propósito do blog não é o que elas dizem, iremos contar uma história pra lá de triste, na qual nosso artilheiro foi, literalmente, ludibriado. Ah, denodados leitores, a culpa, vocês sabem muito bem de quem é, né?

Bem, vamos aos fatos: nosso nobre artilheiro fazia sua pré-night na lojinha de conveniência de um posto de gasolina, próximo à sua casa. Cervejada rolando, amigos por perto, até que, em meio ao bate-papo com os camaradas, a “FULANINHA” foi apresentada ao nosso craque. (Como uma espécie de alerta, até poderíamos quebrar nosso protocolo e citar o nome dela, mas nosso protagonista, realmente, não se lembra mais).

Ele estava numa noite feliz: brincava, arrancava risos dos amigos. Andava de um lado para o outro, sempre interagindo com grandes companheiros da missão noturna. Para a estranheza do camisa 9, a “vítima em potencial” o seguia a medida que ele circulava pelo recinto. Ele ia comprar mais cerveja e ela ia atrás. Parava para bater papo no canto esquerdo da roda, e lá estava ela. Exímio matador da pequena área, nosso personagem resolveu conhecer a moça.

Ela foi receptiva. Disse que era estudante, recém chegada de Vitória e conhecia poucas pessoas no bairro. Poucos minutos de conversa depois, mas com muitas cervejas na mente, nosso centroavante foi indagado:

- “Onde será a NOSSA noitada?”, disparou a moça. (hã?!, como?!, será tão fácil assim?!?)
- “Pô, eu vou pra TAL LUGAR. Você vai comigo?”, correspondeu o artilheiro. - “Só se você me levar para trocar de roupa em casa”, condicionou.

A maldade já imperava a mente do matador e as intenções não paravam de borbulhar.
- “Mas é claro!”, decretou o baluarte.

Ela era loira, alta, magrinha, seios fartos, tatuagem nas costas: um mulherão. Mas também tinha uma outra característica, nem tão interessante. Bem, vida que segue.

Os dois entraram no carro, a casa dela ficava a 1km do posto. Na porta do prédio da loira os primeiros beijos, bons, quentes começaram a acontecer... e ela o convidou para subir.

-“Tirei a sorte grande”, pensou nosso amigo.

Subiram se pegando fervorosamente pela escada, entraram pelo apartamento e mais pegação. Foram para o quarto dela e aí, expectadores do Blog, a maldade dela.... SIM... a maldade dela começava a imperar.

Nosso craque foi com tudo, mas quando a moça estava só de calcinha, ela sentenciou:

- “AGORA NÃO. VAMOS ESPERAR ATÉ O FIM DA NOITE. QUERO MUITO VOCÊ”, disse.

Como pode?! Logo o nosso artilheiro, um intrépido desbravador, foi cair no conto do “ainda não é a hora”.

Pois bem, ele conformou-se e ficou vendo DVD, enquanto ela se arrumava. Passaram por outro posto de gasolina, encontraram uns amigos e foram para a festinha. Beberam todas, muitas, muitas mesmo. Tantas, que nosso camisa 9 balançou e ameaçou dar “Game Over”. E quando não se esperava mais nada, ele deu um “Continue”: pegou o carro, chegou até a casa da mocinha e subiram... Pega daqui, mão ali, boca acolá... e eis que ela foge de novo:

- “Peraí, vou fazer algo para comermos”.

O camisa 9 ainda pensou “ainda precisa?”, mas aceitou a proposta. Sentou-se no sofá, esperou, esperou, (ô, comida demorada). Esperou tanto que acabou dormindo no sofá.

Era um domingo e poucos minutos depois acordou, olhou o relógio para seu desespero: estava atrasado para o trabalho. Meio tonto ainda, não acreditava que tinha perdido um “vuco-vuco”, mas não tinha tempo para lamentar.

Levantou rápido, pegou suas coisas (???) no móvel da sala e se mandou. Quando chegou em casa viu que não tinha condições de ir trabalhar. Ligou para o trabalho e negociou chegar mais tarde. Ok!

Horas depois, ao levantar veio O SUSTO. Um de seus celulares havia sumido.

- “Será que perdi na noitada? Não eu me lembro de ter subido para a casa da FULANINHA com os dois”, tentava se lembrar.

De tarde, começou a ligar para seu número desaparecido, até que, de noite, alguém atendeu.

- “Não, eu comprei esse celular hoje em uma loja de conserto”, informou a voz do outro lado da linha.

- “Onde é essa loja?”, questionou o atacante.

Nosso artilheiro estava possesso de raiva. Entrou na loja, chamou o dono.

- “Você vendeu um aparelho tal tal tal hoje?”, quis saber o craque
- “Vendi Sim! Uma moça loira, alta. Com uma tatuagem nas costas me vendeu. Disse que era um presente de um namorado, mas que para esquecê-lo estava se desfazendo”, argumentou.
***

Pois é, amigos. Ela podia ter roubado o coração, os pensamentos, o vigor da juventude nas noites em claro, mas preferiu ROUBAR o celular do nosso camisa 9. Em tempo: nosso artilheiro conseguiu recuperar o celular na lojinha, o dono era honesto e desfez o negócio ao ser avisado do roubo. A danada jamais voltou a ser vista. Cuidado, jogadores, muito cuidado!

9 comentários:

Rodrigo disse...

HahaHahaha! Muito bom, Júnior!

Sempre que tiver mais, avisa.

Abraços,

Queira ou não queira é Junqueira!

:)

Lu disse...

Essa foi chocante! Acho que ninguém imagina passar por isso.
Para ser um verdadeiro artilheiro, não basta fazer muitos gols, tem tb que conhecer os adversários, os parceiros de jogada e mais do que isso, ser um grande estrategista! rsrs
Depois dizem que nós mulheres que somos inocentes... hahaha
Regra nº 1: "Quando a esmola é grande, o santo desconfia..."
Adorei o post, mto bom.
Beijinho.

FRAUCHES disse...

PERAI.

POR QUE VOCE NÃO VOLTOU NA CASA DA MULHER PRA TIRAR SATISFAÇÃO??


Q BUNDA MOLE ISSO SIM

fabio disse...

uhauhauahuhahuahuaa
se f...
como um artilheiro pode cair nesse conto?!?! pede pra sair 01! pede pra sair!!!

Cam disse...

Hahahahahahaha...

Você é um fanfarrão, Sr. Artilheiro! Você é moleque!!!
Como dá um mole desse? Ahhhhhh...Pede pra sair!

meio campista disse...

Realmente ficou uma pergunta no ar a ser respondida, como o artilheiro não foi a casa da moça ?? afinal de contas vc sabia onde era.
Deu molissimo, deu uma de muleque q não pode ser caveira nunca... tinha q ter pedido pra sair nesse dia.
se possivel responda o pq de não ter ido tirar satisfações

Lisandra disse...

Essa foi boa, mas isso acontece com as mulheres também e de modos até piores.

vanessa disse...

bem feito ficam com fogo de pegar mulher, qurem comer a qq custo,rs, ta vendo no que dá?

Caótica disse...

que absurdo!
auahuahuahuahauaha