segunda-feira, 11 de fevereiro de 2008

Esquecidinha, hein!

Ainda bem que desde pequenos aprendemos a arte de driblar. Porque às vezes surgem umas menininhas que complicam o cenário inteiro... se não fosse a ginga, essa galera não gritava gol!!!

Vejam o caso de hoje. Um dos nossos nobres baluartes tinha faturado uma mocinha, após um bloco em Laranjeiras. Ainda na rua, quando o batuque já tinha terminado, o alvo em questão deu indícios de que estava afim de uma partidinha.

Ela morava sozinha e nosso cortês amigo ofereceu uma carona. Ela adorou.

O vuco-vuco já se desenvolvia ainda dentro do carro. No elevador, as mãos não se controlavam e, entre outras coisas, a vontade crescia.

Não faltava muito para o apito inicial e moça abriu a porta de casa com certa rapidez. Quando adentrou no apê, ouviu um barulho no quarto.

- Ai.. sempre esqueço o meu som ligado, disse ela.

No entanto, nobres, aquele não era o barulho de um rádio. Era a TV ligada.

- Ai... não... Esqueci de uma coisa.
- Do quê?, indagou nosso artilheiro para em seguida pensar: “Será que ela esqueceu de me dizer que era casada?”

Bem, não era esse o caso.
- Esqueci que meu sobrinho vinha dormir aqui hoje, completou.

Para infelicidade do nosso amigo, na confortável cama de casal da mocinha estava um rapaz dos seus 16, 17 anos, toooodo esparramado, assistindo ao concurso de marchinhas pela TV. Ou seja: campo tradicional estava ocupado!

***
Como assim, bravos leitores?

A moça convida nosso atacante para ir até a casa dela, bota fogo na arquibancada e na hora do gol ela lembra que tinha mais zagueiros que o permitido?

Mas artilheiro que se preza não desiste do gol.

Para amenizar o drama, ela preparou uma caipirinha para nosso amigo. E depois de um tempinho de papo no sofá... por sorte ou coorporativo masculino, o garotão caiu no sono. Diante do cenário, a mocinha cedeu a uma rápida partidinha improvisada.

O que poderia ter sido um belo jogo acabou sendo um aquecimento, um treininho, um “esquenta”... culpa de quem? De quem? Ah tá...

2 comentários:

João disse...

HAUHauhUAHUa.... mto bomm.... essa mulherada tá demais... abs

Anônimo disse...

Hein?
A gatinha fica com o cara, topa a partidinha, decide levar pra própria casa o recém conhecido, trata o moço com carinhos desde o elevador, desvia dos contratempos, mas resite e encara a partida, grita gol, e faz uma caipirinha pra comemorar com o mocinho e ainda por cima fica de culpada da história?????????????
O que mais o garanhão podia querer???
Apaporra esses pelas tb querem tudo de mão beijada cruuuuuuz credo!!!