segunda-feira, 31 de março de 2008

A Cinderela do século XXI

Ai.. ai.. tem gente que não acredita nos contos de fadas ou no mundo das fantasias. Acham que as grandes histórias são pura ficção. Que nada!!! Recentemente um dos nossos artilheiros conheceu um personagem quase que encantado e reviveu à moda carioca atos da literatura mundial. Era a Cinderela, só que um pouco moderninha... digna do século XXI.

O problema é que no transcorrer da trama ele acabou ficando com um fardo que não lhe cabia. Levou a fama, mas a culpa, bem, vocês sabem bem de quem é!

Era fim de ano e dois dos nossos artilheiros resolveram disputar um amistoso no meio de semana, apesar de trabalharem no dia seguinte. Foram pra guerra em plena quarta-feira. Bem... o cenário era favorável: uma festa de formatura de um tradicional colégio na Zona Sul do Rio.

Eles não conheciam nenhuma das formandas. Conseguiram os convites graças a um amigo que era amigo do promoter. Resumidamente: tratava-se de um FESTÃO e os artilheiros estavam escalados. Tudo o que vocês puderem imaginar era liberado. Da cerveja ao Whisky, passando pela vodka importada e pelo energético.

Lá pelas 3hs da manhã, um dos nossos artilheiros, o Camisa 11, decidiu se poupar e foi embora. Seu companheiro de ataque, o Camisa 22, permaneceu, confiante e persistente. Esse atacante é um daqueles que fazia jus à pérola do ex-presidente corintiano: “O jogo só acaba quando termina” (hahaha). Ou da frase melhorada, que os atuais jogadores vivem utilizando: “O jogo só acaba quando o juiz apita”.

Ainda que isolado no ataque, foi em busca do tento. Não chegou a balançar as redes, mas a bola bateu na trave.

Ao avistar uma vítima em potencial, puxou assunto e... bingo. Em minutos o novo casal já estava aos beijos. A movimentação na área adversária foi grande, era mão aqui, mão acolá... o som da festa, no entanto, ainda os faziam lembrar que estavam próximos da pista de dança. Nosso matador continuou com os trabalhos que lhe era permitido no ambiente até que, num surto indescritível, a mocinha exclamou: “nossa, é tarde, preciso ir!”.

E com uma rapidez típica do Robinho, deu um beijo no artilheiro e se virou, indo de encontro ao seu grupo de amigas.

Calma, amigos. Até aí nada demais, certo? Pois é. Mas o que aconteceu nesse momento é de deixar qualquer um sem reação. Com o movimento brusco que a mocinha fez, não se sabe como, saltou de sua roupa o sutiã. A peça parecia ter vida e em segundos foi parar no chão da pista. Nosso artilheiro não sabia o que fazer, pensou em gritá-la. Mas ela já havia sumido em meio à fumaça (Seria o medo de virar abóbora??). Então ele voou em cima da peça íntima e guardou-a. Apesar do esforço para devolver o sutiã, perdeu a mocinha de vista.

***
Na volta para casa vocês já podem imaginar, né?

O sol surgia no horizonte, quando nosso “Camisa 22” com um sutiã na mão entrou no busão a caminho de casa. Ao seu lado, e na contramão astral, dezenas de pessoas estavam em direção ao trabalho.

Pois bem, imaginem vocês que aqueles cidadãos pensaram do nosso nobre amigo? “Tarado”... “maníaco sexual”... “pervertido”, talvez tenha balbuciado a velhinha sentada próxima ao trocador. A expressão facial armada diante do nosso matador, ao menos, traduzia isso!

A Cinderela se descuida, não volta para buscar o que lhe pertence e o nosso “príncipe-artilheiro” é quem leva a fama indesejada? É justo, mocinhas?

6 comentários:

Apoiador habilidoso disse...

Pobre artilheiro, levou a fama sem culpa!!

Mas é isso ae, pra cima delas...

outro atacante disse...

Eles sempre deixam uma lembrancinha.... hehehehe!!

Anônimo disse...

Ah, se eu fosse um bezerro miúdo.. ou apenas... um miúdo bezerro....
Aauhahuhuaahuahuahuaahuahuahuahuahuauahahuahuahuahuahuahuaahu

Abs

CP

Anônimo disse...

hummm cheiro de caô isso.
meio fisicamente impossível o fato...
mas, só resta uma pergunta? o que o cara queria com um soutien feminino???
estraaanho esse atrilheiro hein...
vamos combinar!

Estava Perdida no Mar disse...

Ai...adorei esta história, apesar de ser meio caôseira. Mas de boa, melhor perder o sutiã do que o sapato.

Anônimo disse...

Obrigado por Blog intiresny