terça-feira, 29 de abril de 2008

Depois de tudo, ela queria...

Nobres, nobres... mulheres (algumas) são hilárias (As possessivas dão medo! Leia: A Possessiva – Parte I ). Pena que algumas mocinhas beiram ao ridículo. Quando se gosta muito muito muito de uma pessoa o que se tem por ela é amor, paixão, desejo. A amizade é reservada aos amigos e amigas. Amor aos amores! É claro, nítido. Ainda assim tem gente que insiste que "meu amor é meu (minha) melhor amigo(a)". E quando você sentir vontade de trair essa "pessoa amada" ou simplesmente sentir que o fogo baixou, vai contar para seu (sua) melhor amigo (a)?. Claro que não.

O grande Aurélio determina que amizade é um "sentimento fiel de afeição, simpatia, estima ou ternura entre pessoas que geralmente não são ligadas por laços de família ou por atração sexual".

Esclarecido esse ponto, o A Culpa É Delas (ACED) lança sua definição: "romance que logo vira amizade, deixou de ser romance há muito tempo".

As inimigas do blog devem achar que essa é uma visão pessimista, que o ACED tem "fundo sexista" (seja lá o que for isso, mas uma mocinha-inimiga-leitora disparou contra essa página virtual certa vez) e que não acha que "vidas que andam juntas" não podem ter amizade. Achamos que pode haver equilíbrio na relação e nos sentimentos. Mas amor é amor, paixão é paixão e amizade é amizade. Artilheiros vivem os três... cada um em seu momento!

Um de nossos destemidos e confiantes atacantes havia encontrado uma mocinha maravilhosa aos seus olhos. Com um simples sorriso fazia o artilheiro abalar sua calma, característica habitual de um legítimo mestre da pequena área.

Levou-a a sério, mostrou que o jogo poderia durar. Mas sabe-se lá onde anda a cabeça dessas mulheres modernas. Ao fim da relação, bastou ao nosso Don Juan Tupiniquin cantarolar os versos famosos na voz de Zeca Pagodinho: "Eu quis te dar um grande amor, mas você não se acostumou..."

Pois bem, quase um mês depois do apito final do senhor juiz, a mocinha entrou em contato com o atacante.

- "E aí, vamos conversar? Tomar um choppinho essa semana...", propôs a mocinha.

Nosso amigo aceitou. Guardava esperanças de que as coisas poderiam se acertar.

Encontraram-se num restaurante. Beberam chope, pediram um petisco, falaram do carnaval (que estava para chegar), dos amigos em comum etc. Vendo que o assunto que o interessava não havia entrando na pauta ainda, ele fez sua intervenção de forma cautelosa:

- "E sobre a gente? Você acha que cabe comentar alguma coisa?", quis saber o protagonista.
- "Bem... não tenho nada a dizer... mas se você quiser perguntar alguma coisa, fique à vontade...", soltou.
- "Como assim? Pra que estamos aqui então?".
- "Acho que podemos ser amigos, né!".

***
Amigos? Amizade? É isso mesmo? Amigos que nem os artilheiros são? Amigos como os atacantes e seus "camisas 10", que são aqueles que com prazer os colocam na cara do gol?

Depois de tudo que a mocinha fez, ela ainda o convida para um chope "para conversar" e propõe amizade... Ela é séria?

Nosso nobre artilheiro não acreditou. Será que ele é mau demais a ponto de dispensar uma amizade? Do jeito que a mocinha propôs parecia até ser uma amizade sincera, digna e cheia de valor.... mas a paixão que ela ofereceu também parecia...

Se aceitasse a amizade, onde ele ia enfiar a paixão, que àquela altura agonizava sôfrega? (Lembram do Capitão Nascimento, durante um treinamento em que o "senhor 23" parte para o tiro sem a P@#@$@#%$#¨¨% da bandoleira? "Vai enfiar a bandoleira onde, senhor 23?" pois bem... o destino da paixão seria o mesmo...)

Se tem gente que não valoriza paixão, o que fará com uma amizade?!

Nosso amigo foi embora... era hora de se concentrar no carnaval, apenas no carnaval!

Nesse caso não era nem uma forma de dispensar o cara, né?! "po, acho que melhor sermos apenas amigos e tal..." Cada um já estava de um lado...

Então, por que será que elas propõem amizade ao "ex"?

(a) Tolas, acham que amizades surgem quando propostas.
(b) Levianas, não valorizam as paixões.
(c) Fracas, querem o "ex" por perto para qualquer eventualidade.
(d) Sinceras, elas conseguem ser amigas.
(e) Nenhuma dessas.

2 comentários:

Kika® disse...

Devo discordar do post... Esse tipo de amizade existe sim. Claro que se deve primeiro sondar os jogadores e ver se realmente o jogo terminou para os dois. Caso algum deles queira uma prorrogação, é o caso de esperar, dar um tempo e fazer nova sondagem. Se não der, não deu. Mas se passou e o sentimento bom com relação à outra pessoa ficou, por que não? Não dá pra generalizar, né, meninos?

Anônimo disse...

Não tem como, Amigo de ex? Só se n sentir absolutamente NADA!!! e mesmo assim vai rolar um "revival"...rs