terça-feira, 8 de abril de 2008

"Vai, vai ...."

Precisamos combinar que intimidade é algo admirável nos relacionamentos. Apesar das relações cada vez mais efêmeras dessa sociedade, podemos encontrar por aí contatos com um que de intimidade. Prestem atenção: eu disse "podemos". Não é sempre que isso acontece.

Com o assunto devidamente introduzido, vamos aos fatos.

Um de nossos artilheiros estava "numa partidinha" com uma de suas vizinhas. A moça estava sozinha em casa e convidou nosso amigo para ver um filme. Experiente, ele sabia o que o esperava nas entrelinhas.

O DVD sequer chegou a ser colocado no aparelho. O atacante estava com sede de gol e partiu logo em busca do tento. E a mocinha, por sua vez, não fez a menor questão de esconder a satisfação com os avanços do nosso craque.

O lance já havia rolado algumas vezes, mas nada que pudesse ser classificado como freqüente. Era algo entre uma amizade colorida e sexo casual. Se encontravam de vez em quando e partiam pras redes. Alías, a partidinha era, como dizem por aí, "de gente grande". A moça era de uma voracidade...

O problema é que ela confundiu o contato com intimidade. Para usar alguns adjetivos e substantivos durante a relação é preciso discernimento e a tal da intimidade!

No auge na conjunção carnal, a moça vira pro artilheiro e dispara sem dó:

- Vai meu cachorrão, vai!, gritava insistentemente.

***
PáRa TuDO! Cachorrão?! É isso merrrrrmo?!

O artilheiro segurou o riso e se concentrou. Era preciso terminar o jogo!

Não temos problemas com apelidos carinhosos e nem com aqueles "nomezinhos-que-casais-apaixonados-se-chamam". São válidos!

Só que é preciso combinar antes. Conforme a relação vai caminhando, o mocinho descobre como a mocinha gosta de ser chamada e vice versa... não é de uma hora pra outra, correto?!

Embora "cachorrão" deixe no ar um encómio ao artilheiro, a iniciativa da moça acabou tornando-se jocosa e, por falta de intimidade, nem um pouco sexy!

Tanta frasezinha ordinária por aí - por mais que fuja da criatividade - e a moça usa uma completamente estranha ao casal.

Nosso amigo ficou com a impressão de que se a partidinha continuasse, a danada iria salpicar outras pérolas: "Castiga, felpudão, castiga!"... Já pensou?!

4 comentários:

Anônimo disse...

hahahaha.. sensacional!! uma vez uma mocinha que me chamou de "GotoZo"... morri de rir... não sabia se ela era fanha ou qq coisa parecida... hahahahah

Vitor(ioso) disse...

Apelidos egocêntricos da mulher para o homem e pseudônimos chulos de nós para elas na hora do ato, passando por elogios carnais, ou quem sabe, se for o caso no momento, vias de fato no corpo das princesas, ou melhor, rainhas etc... não há coisa melhor pra instigar qualquer casal!!!

Estava Perdida no Mar disse...

Caras, nem com muita intimidade se fala um frase cafona destas na hora H.
Que horror!

Anônimo disse...

Leva uma mordaça da próxima vez. Além de evitar tais constrangimentos, é um acessório que instiga a imaginação e as fantasias mais ousadas.

fikdik ;***