segunda-feira, 5 de maio de 2008

O que só ela viu...

O interesse não tem idade. Podem crer. Não importa o que se deseja, em qualquer idade há um jogo de interesse. Muitas das vezes, a bem da verdade, o interesse é positivo. Artilheiros, por exemplo, quando se aproximam da pequena área têm interesse no gol, é claro. Mas também se interessam pelexplosão da torcida, pela vibração do companheiro de ataque. Com o balançar da rede, que metafóricamente nesse descontraído espaço virtual, podemos enxergar como um sorriso de satisfação e alegria de uma mocinha.

Pois bem... mas nesse post iremos falar sobre o lado maldito e nafando do interesse.

A história se passa há anos, nos tempos em que um de nossos artilheiros era uma pequena promessa da seleção juvenil. Nesse época ele já atuava na Copa do Mundo do Flerte Dente de Leite.

Enfim... O nosso nobre atacante tinha pouco mais de 14 anos à época do ocorrido.

Durante o recreio do colégio, sentou-se ao lado de uma colega de turma para bater um papo. Ele estava trabalhando a jogada em busca do gol.

Uma das partes da área do recreio era na frente da escola, onde há um movimentada avenida. Pela grade era possível ver a rua e todo o fluxo do trânsito. Lá pelas tantas, do final da avenida surge um carro em alta velocidade.

Era uma Fiat Tempra, vinho, 16 válvulas, que no final da década de 90 era a grande sensação das pistas amadoras. Detalhe: o carro estava com os vidros fechados e tinha película insulfilm. Usando a coloquial e simplória linguagem do subúrbio carioca, podemos dizer que "o carro estava tampadão".

O carro passou pela dupla "a mil por hora". O ronco do motor da Tempra, que esticava na avenida, fez a mocinha esquecer o papo por com artilheiro por alguns segundos e se concentrar na flexa vinho.

Naqueles segundinhos, nossa pequena promessa de gols começou a entender sobre o "interesse" que algumas mulheres cultivam.

Sem se precoupar com as pessoas no entorno, a pequena moça soltou:

- "Noooosssaaaa, que gatinho!"

***
O carro passou em alta velocidade, com os vidros fechados e com insulfilm. Não dava sequer para saber se o motorista era do sexo masculino ou feminino. Mesmo assim a sapequinha conseguiu ver beleza no "gatinho".

As mulheres conseguem enxergar cada coisa.... Incrível, vocês não acham?!

5 comentários:

Anônimo disse...

"Fez vestibular pra puta, hoje é doutora em pica" Já dizia a música dos Raimundos, e o melhor de tudo que hoje em dia, são 5 mulheres pra cada homem! mto bom!

Anônimo disse...

É vero!

Se pequena tava assim... E o melhor é q hj tem um monte dessa espécie, e olha q elas já cresceram um BOCADO....srsrs

Dindin disse...

hahahahhaa.... que nada! o pior mesmo é que elas continuam sempre interesseiras... e estão pode toda parte... tem que ter mto talento pra tratar com esses tipos... hahaha...

Kika® disse...

Ah, meninos...

Repitam o mantra: "Não podemos generalizar, não podemos generalizar..."

;)

Senhoritas XXX disse...

Concordo com a Kika