segunda-feira, 28 de julho de 2008

A reunião de família

A história de hoje passa por um clima família, mas a cobrança/ameaça é comum às relações mais cotidianas entre homens e mulheres.

Há alguns meses, o avô de um de nossos artilheiros completou 91 anos. A família toda, então, resolveu passar um final de semana juntos, em um sítio na Região Serrana. Era gente de todas as idades: tios, tias, primas, namoradas dos primos, pai, mãe e irmãos...

No sábado à tarde, o primo adolescente sacou de uma mochila um Playstation. Os demais primos, da mesma idade ou próximo, logo se escalaram para um partidinha de Winning Eleven, um atrante joguinho eletrônico de futebol... Ah... o futebol... além de paixão nacional é capaz de reunir gerações.

Pois bem... horas se passaram e a cada instante um membro da família se aproximava da rodinha de video-game. Os tios, que na infância se divertiram com o Tele-Jogo, o pai do Atari, acharam o Playstation a maior das invenções. A cada lance, soltavam um elogio ao jogo.

Alías, era um cena bonita: pai contra filho, tio contra sobrinho, primo contra primo!

Todos queriam jogar com seus times do coração e logo a rivalidade começou a crescer:

- "Vai dar Flu", diziam uns.
- "Que nada. É Mengão!", defendia outra parte.

A verdade é que o grupo ficou por mais de três horas na frente da telinha completamente entretido. Não teria causado nenhum problema se... se não fosse a hora do almoço!

Irritadas, porque a maioria dos homens - vovô estava dormindo uma hora dessas - não estava à mesa, as tias, mães e primas começaram as provocações.

- "Ô, gente, como é que é? O almoço tá na mesa?", disparou tia Fulana.

- "Calma ae, mãe! Tá no finalzinho...", resmungou um primo.

Era um momento único. Pela primeira vez em anos, as gerações haviam se integrado daquela forma. Naquele momento, todos se entendiam, se divertiam e buscavam o gol. Nesse caso, no sentido denotativo mesmo!

Mas elas não entendiam isso.

Depois de dez minutos de chamadas e mais chamadas, o clima esquentou.

A primeira foi tia Ciclana:
- Se não desligar, eu vou jogar água nesse video-game!

Tia Beltrana endossou:
- Se não vier agora, niguém mais vai comer. Vou trancar a panela na cozinha!

Mas foi tia Ciclana que pegou pesado. Direcionando ao marido, o grande tio Camisa 68, ela detonou:

- "Ô, Velha Guarda, se não vier logo, hoje não tem, hein!!"

***

Como pode minha, gente?

Um momento tão especial e Elas não conseguem compreender?? Qual será o problema?

Tio Camisa 68 foi o primeiro a levantar e, pressionado, acabou com a brincadeira da galera: "Bora, gente... ficou sério!".

4 comentários:

Kika® disse...

Eu sou uma das poucas mulheres que não pode falar nada. Eu tenho um Playstation e quando estou jogando Guitar Hero não escuto ninguém... :P

Vê Guimarães disse...

Q máximo! Eu vivo isso sempre, meu marido é viciado nesse playstation, fica horas em frente a tv jogando e jogando, mas pelo menos ele tá ali, num raio onde eu possa gritar e ele ouvir (nem sempre rsrs).

junao disse...

E VIVA O W11!!!

Estava Perdida no Mar disse...

Realmente, isso foi podre. Mas confesso...mulher não sabe lidar com isso.