sexta-feira, 29 de agosto de 2008

A fase

Nosso craque da Camisa 27 marcou um golaço recentemente. A história é de empolgar aqueles que, porventura, andam afastados da arte do flerte.

Bem... vamos aos fatos... Junto com amigos do trabalho e amigas das amigas foram para uma festinha de aniversário, em uma boate em Botafogo. Havia pessoas de todos os tipos e muitas.. muitas mocinhas, literalmente, na pista.

O alvo do nosso amigo era uma morena deslumbrante. Ele já conhecia a moça e havia revelado a amigos seus planos. Na naquela noite sentiu que chegara o momento de ficar "cara a cara" com gol. Depois de jogar conversar fora com o amigos e beber algumas tulipas de chope, viu-se lado a lado com a mocinha. Confiante, como o atacante Adriano na final da Copa América de 2004, logo puxou assunto.

Para seu delírio e explosão de felicidade, o papo foi interrompido por um beijo. Quem assistiu à cena, teve vontade de aplaudir.

Lá estava nosso matador, aos beijos e abraços com uma das mocinhas mais desejadas da festinha. É como se ele tivesse feito o gol que Pelé perdeu na Copa de 70, quando tentou um chute do meio-de-campo.

Radiante, nosso amigo tentou o "continue".

- "Essa noite não pode acabar aqui. Quer ir lá pra casa?", arriscou.

Sim, nobres leitores. A mocinha topou.

Naquela noite, o craque da Camisa 27 bateu escanteio e correu pra cabecear. Fez tudo como tudo deve ser feito e acabou agraciado com um gol digno de medalha.

No dia seguinte, acordou com o peito estufado. Teve a impressão que se passeasse pela praia, seria parado por fãs.

E a alegria durou, durou. Atravessou o domingo, segunda-feira... Até que a terça chegou. Nessa altura, ele já pensava em que tipo de mensagem mandaria para a mocinha, sua mais recente conquista.

O problema é que, conversando com amigos, descobriu algo sobre aquela noite.

- "O quê? Você também? Sério?", questionou o craque ao telefone com um amigo.

Para sua decepção, nosso amigo não foi a única conquista da mocinha naquela noite. Tudo bem que ele foi o único que balançou as redes, mas outros dois AMIGOS (reparem bem: amigos) do craque, naquela mesma boate, também "ficaram" com a mocinha. Como estavam espalhados pelo recinto, nosso amigo nem percebeu o troca-troca.

Na conversa com amigos em comum, o atacante descobriu que a mocinha acabara de sair de um relacionamento e estava se soltando por aí. Passando o rodo! (Tudo bem... cada um na sua!)

***
Bem, no papinho a dois, a mocinha nada falou sobre sua nova "fase". O centroavante chegou a ficar empolgado. Queria mais! Porém, depois das revelações, a chama esfriou. Sentiu-se "apenas mais um".

Por que será que a mocinha está agindo assim?

(a) Porque tinha bebido demais.
(b) Porque ela quer que o ex- saiba que, agora, ela é uma (pseudo) artilheira.
(c) É da natureza dela.
(d) Porque resolveu se libertar, depois de anos presa a um relacionamento.
(e) Sei lá.

6 comentários:

Brigadeirão disse...

Eu acho que é da natureza dela. Provavelmente o namorado era corno. Uma pena, o artilheiro estava tão feliz, né? Adorei o "Adriano" no texto!! rs
Bjocas!

Bia disse...

Geralmente fazemos isso quando estamos bêbadas...

hihihihihihh

Anônimo disse...

Pq agora ela é solteira e ninguém vai segurar!

Mariana Montenegro disse...

letra D! Passou muito tempo (ou pouco tempo, sabe-se lá) amarrada. Acontece...
:D

Heyy, amei o blog! To favoritando vcs lá no meu ;*
um cheiiiro
:D

Anônimo disse...

Mermão,

É a melhor mulher que tem, essa não vai te encher o saco de jeito nenhum....

CP

.freyja. disse...

veja bem.. nao caiamos no erro da companheira... ficar com varios? ta ta, se solteira ate vai.. ficar entre amigos?!?!?! JAMAIS!!!! é o cumulo da burrice e do ridículo... nao se ache a tal por ser o motivo de risada entre amigos na proxima rodada de chopp depois de um dia exaustivo de trabalho...