sexta-feira, 12 de dezembro de 2008

"Fala baixo..."

A história de hoje fala um pouco sobre mudança de hábitos, surpresa e espanto. Depois de ler o último post do ACED, um amigo do blog procurou um de nossos artilheiros para contar algo que recentemente aconteceu com ele.

O nobre cidadão é um velho freqüentador de “inferninhos” no Centro do Rio de Janeiro. De tanto ir em um mesmo antro, o camarada acabou ficando “amiguinho”, digamos assim, de uma das moças que trabalhava no local: Fulana, uma loirinha de parar a Avenida Presidente Vargas e Praça da Bandeira de uma só vez.

Sempre que o rapaz ia à “boate estilizada” (coloquemos dessa forma), ele conversava com a mocinha, falava da vida, trocava uns beijos e algo mais.

Certa vez, caminhando pelos barzinhos do Arco do Teles, nosso amigo deparou-se com a bela loira. Lá estava ela, sentada à mesa, tomando umas cervejas, cercada por amigas e amigos. Aquela era a primeira vez, que o atleta encontrava a mocinha fora do trabalho.

- “Fulana, que surpresa!”, disse o jovem, ao se aproximar da mesa.

Meio sem jeito, a loirinha levantou-se, deu um passo à frente do nosso camarada e o cumprimentou.

- “Oi. Como vai”, disse, ajeitando o cabelo.

Imediatamente nosso amigo continuou a conversa.

- “E aí, continua lá no...”, tentava perguntar, quando foi bruscamente interrompido pela loira, que o catucou no braço e deu mais um passo para longe do grupinho de amigos.

- “Fala baixo... Saí de lá. Agora trabalho com Tele-Marketing. Tá vendo? Esse é o pessoal do meu trabalho”, revelou a mocinha, que, segundos depois, voltou para a mesa e deu um beijinho apaixonado em um colega de trabalho.

***
Caraaaaaaaaaaaaaaaaaaaaamba!

A mocinha mudou de vida, o que é positivo!

Mas é cada uma que acontece!

Um comentário:

Claudio disse...

Epa... estamos expostos a isso todos os dias...