terça-feira, 14 de abril de 2009

A menina vazada...

Estamos vivendo os fins dos tempos. Acreditem: o armagedon está próximo! Uma das provas de que as trombetas do apocalipse já tocam é a história que iremos contar hoje.

O atacante foi à noite em busca de mais uma bela partida. A lua cheia anunciava que a pequena área ia brilhar. Nosso personagem chegou em uma festinha e começou mostrar suas habilidades: velocidade pelos flancos, gingado na intermediária e samba no pé cara a cara com o gol.

A mocinha nem resistiu. Na primeira tentativa de ataque do nosso craque lá estava ela em seus braços. Um bom papo, cervejinha para umedecer o argumento, som pra dar o clima e... pimba! O caminho para a pequena área estava traçado.

Como um exímio mestre-sala da azaração, nosso nobre protagonista conduziu, com leveza, a mocinha para sua casa. Trocaram beijos, tiraram as “fantasias” e partiram por vuco-vuco.

Nas altas da madrugada, depois de o artilheiro sacudir as redes, a mocinha levantou-se. O craque, inebriado de sono, virou pro lado e seguiu dormindo.

O galo cantou e nossos pombinhos continuaram curtindo a paz do silêncio até que chegou a hora de levantar. O nosso personagem foi o primeiro. Saiu da cama, espreguiçou-se, fez um carinho na mocinha e caminhou em direção à sala até que.... ops... o que é isso no chão?

Nosso amigo não entendeu. Viu uma poça no chão e, por instantes, pensou que seu quarto tinha goteiras. Mas que nada. Demorou a acreditar, mas constatou que o líquido derramado em seus aposentos era xixi... xixi da moça!

O craque sacudiu a danada e cobrou explicações. Ela fez cara de espanto, mas acabou confessando que, num desses sonhos loucos, achou que estava no banheiro, arriou as calças e mandou ver ali mesmo... no chão do quarto do craque, atrás do sofá!

Ele driblou o constrangimento, enquanto a mocinha se vestia. Ela fez cara de sem graça e prometeu que iria limpar.

- “Ok. Tem pano na cozinha. Pega lá”, orientou o matador.

A sapeca saiu do quarto e.... demorou... demorou...

Oras, o que essa culpada estaria fazendo?

Ele saiu do quatro em busca da moça e não a achou. É, queridos leitores, em vez de ir buscar o pano e limpar a sujeira, a mocinha deu no pé e fugiu da situação.

***
Diz aí: é ou não é culpa delas?!

3 comentários:

Danielle Lima disse...

A culpa é dele...que saiu com a Maria Mijona! Ha ha ha!

Anônimo disse...

Ela quis dar o troco após um Vuco nota zero. :p

Diego Peixoto disse...

putz, que situação.. rs

abs primo!