segunda-feira, 25 de maio de 2009

Ele falhou?

Horas depois do fato, a notícia já havia se espalhado pela Zona Norte. No final de semana seguinte, a história circulava pelas rodas de papo na Lapa e Zona Sul. O triste desfecho de uma noite a dois aconteceu com um amigo do blog, um legítimo artilheiro carioca, um guerreiro da noite do Rio e Velha Guarda da Azaração. Nosso nobre amigo ficou cara a cara com o gol e não conseguiu chutar, balançar as redes. Isso mesmo, inimigas do blog: ele falhou!

Não faltaram analistas tentando descobrir a razão de o craque não ter conseguido colocar o time em campo. "Tão novo", disseram algumas. "Mas ele está no auge da carreira", tentavam compreender outras.

De fato, nosso pequeno e destemido craque vivia o auge de sua trajetória pela Copa do Mundo da Pegação quando tudo aconteceu. Apesar de contar com exímia habilidade na área e a certeza de um futuro brilhante na seleção, o atacante foi alvo de todo tipo de chacota durante semanas e semanas. A galera que gosta de botar pilha reforçava a todo tempo que nosso jogador só voltaria a marcar, se entrasse em campo a base de remédios!

Taciturno, ele evitava falar sobre o assunto. À boca das torcidas, a história passou a ganhar contornos e capítulos que nunca existiram. Vendo que sua carreira estava em xeque, o bravo matador de outrora decidiu abrir o coração para um dos nossos craques. Num fim de tarde de muito samba e cerveja, no centro do Rio, o pequeno notável falou do momento mais difícil de sua carreira.

Ela havia faturado a mocinha e logo nos primeiros beijos sentiu que era noite de partidinha. A moça tinha um jeitão meio estranho. "Autêntico", diriam algumas defensoras. Nosso craque, então, retocou a cal do gramado e iniciou o jogo. Com a calma que a situação lhe permitia, nosso amigo deitou-se ao lado da danada e retomou os beijos. Com uma das mãos alisou a mocinha, admirando cada pedacinho de sua mais recente conquista.

Em determinado momento, ele começou a passar a mão na barriga da moça. Foi a deixa.

- "Ai, não passa a mão aí não. Tem muita gordurinha", disse a moça.
- "Que nada! Você é maravilhosa", elogiou o craque.
A mocinha deu uma risada e completou de prima:
- "É que não é só gordurinha não... Tem muito coco aí dentro", disparou sem dó.

A única reação de nosso amigo foi soltar um "Hã?" com pouca sonoridade. Estupefado, ele arregalou os olhos sem acreditar no que ouvira. A mocinha não parou.

- "É que só vou ao banheiro uma vez por semana", disse a sapeca.

***
Tá explicado! Depois dessa nosso amigo não chutou a gol mesmo! E quem poderia?!

A Culpa É Delas... alguém discorda?!

6 comentários:

Gabrielle disse...

eu simplesmente não posso acreditar que existe gente assim!!! non sense completa!!!
um péssimo exemplar de minha espécie, meu gênero, cometendo tamanha gafe, desleixo, descuido, falta de educação e qq adjetivo pejorativo pra uma doida sem noção como esta... vou passar meu dia pensando nisso. credo, ridículo...

Lucas disse...

Tudo bem que essas falhas acontecem, mas nesse caso a culpa é dessa moça mesmo! Se ele partisse pra cima depois de tudo que ela falou, tinha que ganhar um troféu!!

abs

Mulheres de Marte. disse...

hahahahahhaha
Realmente não consegui parar de rir..

Pudera o cara ter chutado na trave, realmente nao tinha como.

Depois dessa, mesmo o melhor atacante do mundo teria se tornado o Obina!

Anônimo disse...

depois dessa só indo plo vestiário, e desistir da partida meu amigo artilheiro...

Fernanda Andrade disse...

A culpa é dela, sem sombra de dúvida !! Que bizarro! Parabéns pelo blog e boa sorte na próxima partida :-)

Marcella disse...

ahhhh não.
essa aí eu não consegui acreditar, jogadores!
vcs criaram um desfecho caótico por ele ter falhado, né? rsrsrs