terça-feira, 4 de maio de 2010

A volta da Possessiva

Vocês a conhecem. A Possessiva sumiu e quando menos se esperava, ela voltou a cruzar o caminhos dos artilheiros. Só que dessa vez não foi o do Camisa 11, que penou tentando se livrar da "menina babaloo", como vocês podem relembrar no link: http://aculpaedelas.blogspot.com/2007/08/possessiva-parte-i.html

Dessa vez, quem sofreu foi nosso destemido Camisa 7, que conhece a moça há anos. Na virada de 2009 para 2010, a turminha que a Possessiva e o Camisa 7 fazem parte resolveram festejar juntos a chegada do novo ano.

O local escolhido foi uma praia do Rio de Janeiro. Tudo corria como pede um bom reveillon: champanhe, cerveja, boa música e amigos por perto.

A azaração corria solta, mas nosso craque estava devagar. Equilibrando as doses de álcool e o bate papo com os amigos. Na festa, havia uma amiga da amiga do artilheiro. Era bonita, cheia de charme e estava no Rio pela primeira vez. Ela era da Bahia e veio à Cidade Maravilhosa apenas para passar o Reveillon.

Um outro craque que estava na festa logo fez as honras da casa e partiu pra cima. Ah... ela adorou. A baianinha esbaldou-se nos braços do carioca galanteador.

Enquanto isso, a Possessiva enchia a cara.

Lá pelas tantas, o craque resolveu ir embora, deixando a mocinha na festa, sozinha.

De boba ela não tinha nada. A sapeca resolveu sassaricar pelo terreno fértil dos festejos cariocas. Gingou pra esquerda, gingou pra direita e acabou dando de frente com quem? Sim, como o nosso Camisa 7... garoto bom!

A madrugada já avançava quando nosso Dom Juan dos Trópicos começou a papear com a danadinha. E que papo!

Já aquecida, ela era só sorrisos para o artilheiro, que com faro de gol apurado, pressentiu que abriria 2010 em grande estilo.

Quando o fim da festa ameaçou chegar, a turminha decidiu ir embora. A baianinha ficaria na casa da tal amiga, que era casada com um grande amigo do Camisa 7. Os quatro e a Possessiva, que era do mesmo grupinho, rumaram ao lar do casal, perto de onde acontecia a festa de fim de ano.

Quando chegaram no apê, o clima subiu. O casal foi dormir, a Possessiva ficou entornando mais umas na sala e nosso craque manobrava com a mocinha na cozinha. A partidinha começa a ter início e eles decidiram que iriam para o quarto. No apê, só havia dois quatros: um era do casal, claro, e o outro era para receber os amigos, quando necessário. Era exatamente pra lá que nosso amigo vislumbrava ir.

Mas no meio do caminho tinha a Possessiva.

- Ô, Possessiva, eu vou ficar lá no quarto com ela, tá?, tentou avisar nosso jogador.
- Como assim? Eu to com sono, quero dormir lá.
- Pô, fica aí na sala. Deixa a gente lá no quatro.
- Não. Não acho isso certo.
- Certo? Do que você tá falando? É ano novo...
- Ué... isso que você está fazendo é anti-ético. A baianinha estava ficando com outro cara na festa e agora você tá pegando ela.
- E daí? Ela tá afim... Será que você não percebeu?
- Não importa, eu é que vou dormir naquele quarto!, disse, parecendo sem convicção.
- Não faz isso não. Vou lá na cozinha buscar a baianinha...

Quando nosso atleta voltou, claro, a Possessiva já estava no quarto, roncando...

Jogo de cintura é uma coisa que essa danada já havia desmonstrado não ter. Mas espírito de "empata" era algo novo no currículo da chicletinho.

Nosso amigo, então, tentou seguir o jogo na sala mesmo, mas a baiana ficou sem jeito, receosa de alguém aparecer e ver. Resultado: 0 a 0 em pleno Reveillon.

Culpa de quem?

***

Caros leitores, por que será que a Possessiva empatou o jogo?

(a) - Porque ela já estava no zero a zero e não queria ser a única.
(b) - Porque ficou com ciúme do Camisa 7.
(c) - Porque na cabeça dela uma mocinha de fora não pode chegar no Rio e, de cara, faturar um artilheiro.

6 comentários:

Barriga disse...

Deus me livre!!! hihihihihi...

Monique disse...

a b e c!
hahahah

Pedro disse...

Conheço esse tipo de mulher: letra A!!!!

abs

Carlos disse...

Aposto na A!

abs

Siba disse...

Caraaaaamba! rsrs
Certeza que é A!

Gabrielle disse...

Pq ela é tudo isso + infantil e imatura... Feião néh...