sexta-feira, 25 de junho de 2010

A mulher berro

Trabalhar em dias de jogo do Brasil na Copa do Mundo é ruim demais. Mas há coisas piores.

Bem... para amenizar o sofrimento de quem gosta de futebol, algumas empresas colocam telões em suas dependências para que seus funcionários assistam aos jogos. E nosso Camisa 11 trabalha em uma empresas dessas. O problema, amigos e amigas do blog, é que tudo que tipo de gente, até quem não gosta de futebol, se junta ao grupo de admiradores da seleção e da Copa do Mundo.

Com dois amigos de trabalho, nosso artilheiro foi, ao auditório da empresa onde havia um telão, assistir à Brasil x Portugal, último jogo da primeira fase, partida que vai decidir se a seleção canarinho fica ou não em primeiro lugar. Como diria o (#cala a boca) Galvão: jogo dramááááático.

Só que a "mulher berro" também estava por lá. A gente explica: são as mocinhas que pouco se importam com futebol e gritam mais que torcem. Ou gritam descontroladamente como forma de torcer!

Os jogadores portugueses nem precisavam entrar na área do Brasil para a gritaria ensadecida começar. Bastava chegar a 15 metros da meia-lua e "aaaaaaahhhhhhhhhhh".

Elas devem acreditar que os gritos são capazes de mudar o rumo do jogo. É a única explicação para esse fenômeno.

Mas ainda tem coisa pior. O primeiro tempo foi tenso, muitos cartões amarelos e algumas chances de gol. Mas elas queriam gritar, gritar e elogiar a "formosura" de alguns craques.

Aos 25 minutos, quando Cristiano Ronaldo isolou uma bola ao bater uma falta. Uma mocinha, sentada atrás do Camisa 11, soltou:

- Vai, Ronaldo... leva essa bola lá para casa!

E toma gritaria. Era algo tão ensurdecedor, que ficava difícil se concentrar na partida. Nosso protagonista temia ser surpeendido pela berrante a qualquer momento.

No final do primeiro tempo, o Brasil ganhou um escanteio e Maicon foi cobrar. Quando o lateral brasileiro apareceu na TV, a sapeca soltou outra pérola:

- Vai, gostoso. Mete essa!

Futebol e sexo? Ao contrário do Dunga, o A Culpa É Delas aprova. E bateu aquela curiosidade. Quem seria essa berrante da fala solta? Nosso amigo levantou-se e olhou a mocinha.

Bem... mas era uma ONA (que tem proporções maiores que a "INHA" = baixINHA, gordINHA ou feiINHA...) e ostentava um bambolê dourado no anelar esquerdo. E dá-lhe Maicon!

Para não sofrer com a gritaria das "mulheres berro", nosso Camisa 11 resolveu abrir mão do telão e ver o jogo em outra TV. Por culpa delas...

***
Mocinhas, cá entre nós, por que gritar desesperadamente diante de um ataque?

Vocês acreditam que o grito vai mudar a direção da bola ou que vai dar força para o zagueiro desarmar o adversário?

Imaginem se o mesmo acontecesse na Copa do Mundo do Flerte: o atacante chega, diz: "nossa, você é linda", e a mocinha retribui: "AAAAaaaaaaaahhhhhhhhhhhhhhhhhhhh". Seria terrível.

E o segundo tempo tá começando... Boa sorte, Brasil!

5 comentários:

Anônimo disse...

AAAAAAaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa!

PEDRO disse...

AHAHAHAHA... vcs foram certeiros na questão... elas adoram gritar!! hahahahaaaa

Bolotinhaa disse...

hahahha o pior é receber o link desse post do seu namorado! Não entendi! Será que eu sou assim? hahahha

Mas aaaaaaahhhhhhh que bom que a transmissão evoluiu e podemos ver os lances em câmera lenta, aquelas coxas... hahahhaa

Anônimo disse...

PRA TORCER PRO MEU BRASIL VALE TUDO:BERRA,PULAR,É ATÉ CHORAR,EU BERRO MESMO...AAAAAAaaaaaaaaaa!!!!

Don Diego De La Vega disse...

Mulher em geral é histérica....é da psiquê delas...

Não adianta q elas nem se tocam q incomodam os outros, pq pra maioria se esgoelar no ouvido alheio é natural.

Nunca ouviu duas (ou mais) mulheres conversando (altíssimo) dentro de um vagão do metrô, por exemplo?