sábado, 14 de agosto de 2010

Fora da área de cobertura...

A história de hoje nos leva aos áureos tempos de um craque da arte da conquista. De drible fácil e fala solta, ele colecionou, no início da década, viagens pelo país em busca de diversão, música e gols, claro!

Era o primeiro grande evento que ele ia fora do Rio... uma dessas festas que param as cidades com a chegada dos jovens forasteiros e aventureiros do flerte. Todo serelepe, nosso craque carioca chegou cheio de gás.

Alías, nessas oportunidades, se aprende muito sobre esse Brasilzão de Deus, terra, digamos, dos grandes clássicos.

O artilheiro das multidões começou a perceber, por exemplo, que o jogo da azaração é diferente em cada canto desse país. Se no Rio de Janeiro, o mocinho chega na mocinha, fala de suas intenções e consegue um beijo, um gol... na primeira noite, em outros lugares, no máximo, você consegue um número de telefone.

Mas para sua surpresa, uma mocinha de Porto Alegre chamou sua atenção. No primeiro momento, ele ficou na dúvida: será que no Sul é assim ou será que estar longe de casa mexe com as pessoas? Ao telefone, a loira do Sul conversava com uma amiga, que tinha ficado em casa. Nosso amigo estava bem atrás dela, na fila pra comprar cerveja.

- Isso aqui tá trilegal. Tem muito homem lindo, disse a gaúcha, empolgadíssima.
A pessoa do outro lado da linha falou algo e ela completou:
- Que namorado? Ele ficou em Porto Alegre, e você sabe, né? Eu estou fora da área de cobertura!

***
É, amigos do blog e fiéis leitores, fica o debate: será que todas as gaúchas são como a mocinha da história, que confunde fidelidade com cobertura de telefone celular?

O fato é que assim que nosso protagonista percebeu que a mocinha havia deixado a marcação solta e dispensado a zaga inteira, ele partiu pra cima para abrir a contagem da noite. Afinal de contas, artilheiro em campo quer ver a rede balançar...

E coitado do namorado, acabou ganhando um par de... antenas!

3 comentários:

Anônimo disse...

hahahah.... como vcs dizem: "que sapeca"

Sergio disse...

Tem que colocar coleira nessa cachorra... ihihihihihihih

Gabrielle disse...

Ah, se coleira desse jeito o que ia ter de homem com o adereço tbm...