quarta-feira, 21 de abril de 2010

A 007 terrorista - Parte II

Foram dias difíceis aqueles que o "craque ao estilo inglês" viveu com sua nova paixão. Cercado de muito perto pela ex, a 007 terrorista, o nosso provocador de suspiros teve que ter muita habilidade para contornar a situação e não deixar o velho romance estragar seu novo momento.

Depois de ver falhar seu plano de minar o bom relacionamento que "sua arquiinimiga" tinha com amigas e amigos, a doida da ex resolveu intensificar as investidas. Em dias alternados passou a seguir sua rival, que nem podia imaginar o que estava acontecendo. A mocinha ia de casa para o trabalho, do trabalho pra casa, de casa para o cinema, de casa para a casa do namorado; e por perto, sempre de butuca, estava a 007 terrorista.

Não tardou e a mocinha passou a receber cartas em seu trabalho. Sim, eram anônimas. Em uma delas, a autora (vocês, claro, sabem que é) dizia:

- "Cuidado, muitas vezes uma batida de carro pode parecer acidental"

Em outra, a louquíssima da ex apelava para forças ocultas:

- "Lua de mel na Europa? Tomara que seu avião caia..."

Após receber as correspondências e se sentir ainda mais acuada, a moça serelepe resolveu entrar na Justiça contra a doida. O craque, que a todo tempo garantia proteção e tentava acalmar seu grande amor, deu todo apoio necessário (Aliás, não pensem que nosso craque não sofreu diretamente com as perseguições. Certa vez, a ex ficou plantada na porta do apê do jogador, e quando ele saiu com o carro, ela lançou-se à frente do quatro rodas, na tentativa de fazê-lo parar, saltar e conversar. Se não fosse o reflexo e a facilidade com manobras, a doida não estaria mais entre nós).

Voltando ao assunto: processo na 007 terrorista, aquela que investiga sua vida e depois te ataca.

O casal queria apenas recuperar a paz de outrora e não ter mais que enfrentar a tal da perseguição imposta pela sapeca que não sabia perder. O processo rolou, as audiências começaram. A defesa da doida era boa e tudo progredia lentamente, quando a advogada da atual paixão do nosso atleta fez uma proposta (reparem que era uma advogaDA). Ela chamou sua cliente num canto e soltou o planinho:

- Você quer resolver essa situação de uma vez por todas?
- Claro. É tudo que mais quero - disse a mocinha.
- Então... termina com seu namorado que ela nunca mais vai te perturbar!

***
Meu Deus, e o amor? E aquela história de que "juntos, tudo venceremos"?

A "mocinha das leis" ignorou tudo isso e tacou pedra na paixão. "Pânico, terror e aflição" ... foram essas as sensações que a mocinha sentiu.

Se já não bastasse sofrer com as perseguições, a namorada do craque inglês ainda tinha que ouvir isso de quem era paga para defendê-la.

É o que costumamos dizer: "quando o mundo cor de rosa vira-se contra si, é melhor sair de perto!"

quarta-feira, 14 de abril de 2010

A 007 terrorista

É impressionante, caros leitores e leitoras, como algumas mocinhas atraentes, legais, conseguem se transformar numas... loucas! Como pode? Descontrole hormonal? Crise existêncial?

Bem... que Deus nos projeta! Vamos aos fatos.

O craque da história de hoje, um legítimo atacante ao estilo inglês, acabara de se envolver com sua nova paixão. A vida, agora, seguia o rumo que lhe agradava. A última relação tinha terminado há semanas, deixando ranhuras. Mas não, não no coraçãozinho dele. No coração da "ex" do craque, no caso.

Mas quem sofreu mesmo, de fato, de verdade, foi a atual namorada do matador. Pelo que se sabe, a tal da "ex" não sabia lidar com o sentimento de perda, de derrota. E essa história é mais uma daquelas em que o mundo de cor de rosa vira-se contra si mesmo. E a culpa só pode ser... vocês sabem!

A atual namorada do "provocador de paixões" é uma mocinha simpática e toda serelepe. Contudo, apesar de toda sua desenvoltura, não conseguiu se livrar com facilidade do fantasma da ex de seu namorado.

Os ataques começaram nas semanas seguintes em que o craque começou a namorar a "mocinha simpática". Conversando com uma amiga, a atual do Don Juan tupiniquim começou a descobrir as investidas daquela que a considerava sua maior rival.

- "Poxa, amiga. Não gostei do que você colocou no meu orkut", lamentou a mocinha.
- "O que foi?", quis saber a atual do craque.

Quando a amiga disse, ela não pôde acreditar. E nos dias seguintes, outras amigas e amigos lhe disseram a mesma coisa. Ela começou a juntar as coisas, os fatos, informações e suspeitas e chegou à conclusão: "a doida da ex do meu namorado está me perseguindo!!!"

É, amigos, às vezes é muito dura a vida no mundo cor de rosa.

Descobriu-se depois que a "ex" criou três perfis falsos no Orkut, como se ela fosse a atual namorada do jogador. Em alguns dias já havia adicionado amigos e amigas da mocinha, alegando que estava como novo perfil.

Em pouco tempo começou a mandar os seguintes scraps para os contatos: "Uhmm... ficou feia nessa foto, hein", "Ih... engordou, amiga? Ficou baranga. Se cuida" ou então, "sua namorada não te merece, amigo. Se ela soubesse de ontem... hihihihi"

***
Meninas do nosso Brasil, há alguma explicação para tamanha loucura? Na escala Richter da doidera, essa aí estava com os ponteiros batendo na casa do 7.9, quase o auge.

A confusão foi desfeita, e a mocinha, perseguida pela ex de seu namorado, conseguiu salvar sua relação com os amigos. Mas engana-se quem pensa que essa era a única carta na manga da Mulher 007 terrorista, aquela que investiga sua vida e depois de ataca.

No próximo post vamos contar a continuação dessa história. Aguardem!

E você, culpadinha de plantão, já aprontou algo do tipo?

segunda-feira, 12 de abril de 2010

A RESPOSTA DE "Dá pra entender?"

Insegurança é algo que acaba com qualquer relação. O jogador até hoje não sabe quem ligou para ele naquele dia, mas o episódio serviu para descobrir que sua companhia era pra lá insegura.

As pregoeiras do armagedom da fidelidade masculina e as inimigas do blog certamente tentarão defender a moça e dirão: "Ela já sofreu isso antes. Homem não presta. Normal ela desconfiar".

Normal pode ser. Mas se agarrar à suspeita e partir pro ataque não é normal. Partir do princípio que "todos os homens são iguais" e que "se aconteceu uma vez, vai acontecer de novo" é o "início do fim", caras leitoras. Aí, a culpa é... (Tudo bem! Eu sei que vocês sabem)!

Acertou quem apostou na opção "(d) - O craque contornou a situação, saiu com a moça mais uma vez e acabou com a relação semana depois".

Atuando como um legítimo "diretor de harmonia" da relação, ele deixou o fogo baixar e explicou para a danadinha que estava em busca de "uma relação mais tranquila".

quarta-feira, 7 de abril de 2010

Dá pra entender?

Outrora já publicamos aqui uma dica que deve ser usada para algumas mocinhas: "não tente entender, decore". Cada uma age de um jeito e elas esperam que atuemos do mesmo ou de outro... ou coisa que o valha. Pois bem, inimigas do blog, essas eu quero ver vocês explicarem. Os amigos do blog também podem ajudar.

Um craque das quatro linhas do amor estava há tempos com uma mocinha. Ela era ciumenta e até certo ponto o jogador gostava disso. Era sinal de que ela se importava com a relação.. enfim!

Os artilheiros do A Culpa É Delas entendem as pequenas doses de ciúme. Mas se passar dos limites, é melhor mudar o rumo da prosa e o caminho do coração. Do ciúme pra loucura, caros leitores, é um pulo... um pulinho!

Vejam o que aconteceu com o atacante. Ele estava na casa da mocinha, curtindo um clima intimista. O casal havia acabado de assistir um filme e conversavam sobre o que eles fariam mais tarde: poderiam ir a um samba, sair pra jantar, comer em casa e ver outro filme etc.

Em determinado momento, o telefone do craque tocou. Ele olhou o número e como não o conhecia resolveu não atender. Afinal de contas, estava ali com a mocinha, feliz, curtinho o chamado "love". Mas a decisão do craque, mal ele sabia, gerou uma reação incompreensível na danada:

- Não vai atender?
- Não.
- Por quê?
- Por nada. Não conheço o número, sei lá... Não deu vontade de atender...
- Você não conhece o número ou, simplesmente, não o tem anotado na sua agenda?
- Que isso, mocinha? O que você está insinuando?
- Não atendeu porque era uma de suas amiguinhas?

O craque ficou indignado (Detalhe: não era namoro, os dois apenas saíam há tempos) e pensando: "antes tivesse atendido e passasse horas ao telefone com algum amigo ou amiga". Se bem que se soubesse que a mocinha reagiria daquela forma, mesmo que fosse um desconhecido, o craque iria puxar um assunto. Sei lá... perguntar o que a pessoa achou da premiação do Oscar! Vocês vão concordar: qualquer coisa é melhor do que ser acusado daquela forma!

A discussão continuou por minutos e minutos, já o clima morreu naqueles segundos. Será que vocês conseguem adivinhar o desfecho da história?

(a) A mocinha sustentou até o final que estava sendo traída e o 'namorico' terminou.
(b) A mocinha pediu desculpas, disse estar insegura, e o craque a perdoou.
(c) Ela retornou a ligação e descobriu que o número era do trabalho de um amigo dele.
(d) O craque contornou a situação, saiu com a moça mais uma vez e acabou com a relação semanas depois.

***
Mande sugestões, desabafos e histórias para aculpaedelas@gmail.com

Siga o ACED no twitter, onde sempre anunciamos as boas e quando o blog é atualizado: Aculpa_delas

sexta-feira, 2 de abril de 2010

Quanta inocência

Essa aconteceu a pouquíssimo tempo e nós, do A Culpa É Delas, ficamos sabendo após uma conversa pelo MSN. Um amigo do blog e artilheiro da noite carioca resolveu começar a namorar com uma das mocinhas que estava saindo. Menos de um mês após a difícil 'decisão', a ex o procurou. Coração mole que é, aceitou o pedido para um reencontro num jantar. A conversa se estendeu ao cinco letras mais próximo e o camisa 17 acabou traindo a atual namorada.

Ao acordar - no dia primeiro de abril -, ainda meio incomodado com a situação, ligou para a atual e resolveu dar um ponto final na relação:

"Olha, tá tudo muito legal entre nós, mas eu quero terminar, não estou confortável com a situação".

A menina, que não sabia o que estava acontecendo, reagiu:

"Ahh bobo, para, você está zoando. Hoje é o Dia da Mentira, eu sei.. Engraçadinho...".

Sem reação, o matador acabou por concordar com a danada e desistiu de terminar o relacionamento, pelo menos por enquanto.

------- X ------------ X ------------ X ------------

Custava a atual entender que o nosso Camisa 17 estava querendo dar um basta na relação? Será que ela só adiou a decisão

tomada pelo nosso amigo? Em breve, cenas da próxima partida desta Copa do Mundo do Flerte!